Quantas parcelas tenho direito no seguro desemprego

Quantas parcelas tenho direito no seguro desemprego? Se essa é a sua dúvida, você está no  lugar certo. Vamos tirar sua dúvida sobre quantas parcelas você tem direito no seguro desemprego agora.

A política brasileira apresenta muitos benefícios com relação ao trabalhador brasileiro, mantendo uma relação de apoio com o profissional em diversos tipos de situações, uma delas é quando o profissional acaba desempregado, por exemplo, existe o benefício do seguro desemprego.

O pagamento de assistência financeira ajuda o indivíduo a se estabilizar, impedindo que o mesmo acabe se prejudicando ou que termine em dívidas graças à falta de dinheiro.

O programa tem vários modelos e padrões, atendendo a diferentes tipos de trabalhador e a várias condições específicas. Podendo ser solicitado em Postos de Atendimento das Superintendências Regionais do Trabalho e Emprego (SRTE) ou em agências da CAIXA credenciadas pelo MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), o programa pode ser muito útil ao profissional que está sem opções de emprego temporariamente.

Confira abaixo um pouco mais sobre o serviço e como é o procedimento de pagamento!

O que é seguro desemprego?

O seguro desemprego consiste num apoio ao indivíduo que precisa de assistência financeira temporária, devido a causas relacionadas ao desemprego previamente habilitado.

Sendo um dos principais direitos dos trabalhadores brasileiros, o benefício é muito útil em auxiliar por determinado período na vida do profissional desempregado, destinado a trabalhadores formais e domésticos, trabalhadores formais com contrato de trabalho suspenso, pescadores profissionais e trabalhadores resgatados da condição análoga à de escravidão (a partir de análise e ação de fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego).

Parcelas do seguro desemprego

Destinado a vários tipos de trabalhador, o seguro desemprego tem suas parcelas de benefício divididas a partir do período de trabalho do profissional. O trabalhador formal tem direito de três a cinco parcelas do benefício, considerando cada período aquisitivo de 16 meses.

Esse tempo é o limite estabelecido como período de carência, que é o mínimo a ser considerado para que o trabalhador receba o benefício. O tempo é contado a partir da data de dispensa do profissional.

As parcelas serão estabelecidas a partir da quantidade de meses trabalhados nos últimos 36 meses anteriores à dispensa.

O pescador artesanal pode receber quantas parcelas precisar até o final do período de defeso (proibição de pesca). O empregado doméstico e o trabalhador resgatado podem contar com, no máximo três parcelas.

Leia também:

Rate this post

Deixe um comentário